Fernanda Bastos | Arquitetura Corporativa | Os pufs e a arquitetura corporativa
15781
post-template-default,single,single-post,postid-15781,single-format-standard,mltlngg-pt_BR,ajax_updown,page_not_loaded,,transparent_content,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Os pufs e a arquitetura corporativa

Os pufs e a arquitetura corporativa

“Empresas fake. Ser cool virou moda. Ter um espaço com puf, dia de pet friendly, área de lazer – tá na moda. É como se esse ambiente credenciasse a empresa como (The best place to work). Balela. Enrolação. Fake news para rede social…. o que o colaborador quer é gestão de pessoas … e dinheiro no bolso”

Este é o trecho de um depoimento que está circulando nos últimos dias no Linkedin…e ganhou uma aderência grande de curtidas e compartilhamentos. 

Por mais que alguns conceitos como o atual “Wellness” (valorização do bem estar do indivíduo) estejam em alta, o que as empresas buscam antes de tudo é produtividade. Pessoas que resolvam, que tenham insights interessantes, sejam criativas e que potencializem suas qualidades. 

Estudos mostram que são de ambientes como áreas de descompressão, recreação, pontos de reuniões (mesas para encontro informal em circulações), cafés; que saem maior parte das decisões e iniciativas. O fato de mudar o estado corporal e mental é o segredo para que as conexões sejam feitas. 

Quanto ao puf… sim…ele tem o seu papel e não é divertir!