Fernanda Bastos | Arquitetura Corporativa | Como voltar?
15800
post-template-default,single,single-post,postid-15800,single-format-standard,mltlngg-pt_BR,ajax_updown,page_not_loaded,,transparent_content,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Como voltar?

Como voltar?

O desafio de trazer as pessoas novamente para os escritórios – não passa mais somente por uma visão de viabilidade econômica, como pontuado aqui anteriormente.

Procedimentar o retorno ao trabalho deve começar a ser pensado afim de trazer acolhimento e segurança. 

Algumas sugestões:

Comunicação: regras claras sobre distanciamento pessoal, uso de máscaras, limites de pessoas em salas de reuniões, novas rotinas de limpeza. Desenvolver um programa de (re)integração específico para este momento pode ser fundamental.

Espaço Físico: retirada de todo o mobiliário que não esteja em uso,  adequação do layout visando o aumento de espaço entre as estações de trabalho, instalação de barreiras físicas – aonde o distanciamento não for possível, repensar os postos de trabalho não atribuídos,  verificar se manutenção periódica do sistema de ar condicionado está em dia, considerar a instalação de sistemas de purificação e desinfecção de ar, priorizar ventilação natural.

Uso do Espaço: montar escalas para o retorno ao trabalho (gradativo), reduzir ou restringir o uso de áreas compartilhadas, repensar a forma de disponibilizar refeições – evitando a exposição dos alimentos nos refeitórios.

Equipamentos:  evitar o compartilhamento de equipamentos, buscar a substituição de superfícies de alto uso (como balcões de recepção, bancadas e metais de banheiros, ferragens de portas) – por materiais antimicrobianos.

Limpeza: Criar rotinas mais criteriosas de assepsia do posto de trabalho e disponibilizar material individual para isso.

Segurança e Medicina do Trabalho: Revisar o PPRA e o PCMSO mapeando os riscos de contaminação e condutas a serem adotadas.

Queremos que esse momento passe rápido mas mais que isso – que nosso modo de viver após esta dura experiência nos torne mais humanos.  Entender que o medo faz parte da nossa natureza e criar ferramentas para minimizar os danos é obrigação dos nosso gestores.